A origem das doenças

“A saúde e a enfermidade são o produto da harmonização ou desarmonização do indivíduo para com as leis espirituais que do mundo oculto atuam sobre o plano físico; as moléstias, portanto, em sua manifestação orgânica, identificam que no mundo psíquico e invisível aos sentidos da carne, a alma está enferma! O volume de cólera, inveja, luxúria, cobiça, ciúme, ódio ou hipocrisia que porventura o indivíduo tenha imprudentemente acumulado no presente ou nas existências físicas anteriores forma um patrimônio “morbo-psíquico, uma carga insidiosa e tóxica que, em obediência à lei de Harmonia Espiritual, deve ser expurgada da delicada intimidade do perispírito. O mecanismo ajustador da vida atua drasticamente sobre o espírito faltoso, ao mesmo tempo que o fardo dos seus fluidos nocivos e doentios vai-se difundindo depois pelo seu corpo físico” – Ramatís, do livro ‘A Fisiologia da Alma’.

“Assim, todas as partes do ser humano são afetadas pela influência da mente, a qual atua fortemente através dos vários sistemas orgânicos, como o nervoso, o linfático, o endocrinológico ou o circulatório(…) as recentes pesquisas médicas, sob orientação da medicina psicossomática, estão confirmando que o psiquismo altera profundamente a composição e o funcionamento dos órgãos do copo físico” – Ramatís, do livro ‘A Fisiologia da Alma’.

As palavras de Ramatís acima transcritas nos fazem considerar que a verdadeira origem das doenças do corpo físico está em nossos pensamentos e sentimentos / emoções, os quais irão determinar nossos comportamentos e atitudes.

Mas como exatamente algo sutil, “abstrato” como pensamentos e emoções podem influenciar o nosso corpo físico?

A sabedoria oriental e milenar nos ensina que não somos constituídos apenas de nosso corpo físico, pois, se assim fosse, nada mais existiria após a morte do mesmo e sua decomposição cadavérica. Somos seres eternos, espirituais e constituídos de 6 outros corpos, além do físico. Atendo-nos aos corpos inferiores (mental inferior, emocional, etérico e físico), podemos compreender que nossos pensamentos e emoções alimentam diretamente nossos corpos mental e emocional, respectivamente. Pensamentos negativos e emoções mais baixas ou “pesadas” agregarão, portanto, carga negativa (ou antimatéria) aos nossos corpos mental e emocional. Pela lei da atração magnética (vibrações semelhantes se atraem), essa carga negativa “mais pesada” (menor vibração, mais densa) deverá ser necessariamente drenada para corpos ainda mais inferiores (corpos menos sutis, de menor vibração), como o nosso invólucro físico. Concluímos, portanto, que o corpo físico funciona, na verdade, como um mata-borrão, um drenador das energias mais densas dos nossos corpos mais superiores, os quais, por suas composições mais sutis, não comportam energias mais densas.

A cultura hindu também nos ensina o conceito de CHAKRAS, que são centros ou vórtices de energia que permitem uma comunicação entre o nosso corpo etérico e o nosso corpo físico. Possuem estrutura cônica, com a boca do cone alguns centímetros além da superfície do corpo físico. Possuímos milhões de chacras, havendo até quem defenda que cada uma de nossas trilhões de células possui um chacra correspondente, mas podemos facilitar a compreensão deste tema através dos nossos 7 principais chacras:

1o chacra : chacra básico ou raiz (Muladhara) : associado às glândulas suprarrenais

2o chacra: chacra sexual (Svadhisthana) : associado às glândulas sexuais

3o chacra: chacra do plexo solar (Manipura) : associado ao pâncreas

4o chacra: cardíaco (Anahata) : associado ao timo

5o chacra: laríngeo (Vishudda) : associado à tireóide

6o chacra: frontal (Ajña): associado à hipófise

7o chacra: coronário (Sahasrara): associado à pineal

Cada um desses principais chacras está ligado a uma determinada glândula, como mostrado acima. Aquela energia oriunda de nossos corpos mental e emocional, de constituição mais sutil, que precisa ser drenada para um corpo mais denso e de menor vibração, passará do nosso corpo etérico (“molde” etérico do nosso corpo físico) para o nosso corpo físico através desses centros energéticos chamados chacras. Essa energia, ao entrar em contato com as glândulas correspondentes aos chacras principais, determinará o bom ou mau funcionamento de seus respectivos tecidos glandulares e produções hormonais, influenciando todas as células de nosso organismo e, consequentemente, favorecendo nosso estado de saúde ou doença.

Dessa forma, a qualidade dos nossos pensamentos e das nossas emoções está diretamente ligada à qualidade da energia impregnada em nossos corpos mental e emocional e, em última análise, é a responsável por nossos estados de saúde ou doença. Considerando ainda a questão da reencarnação e que esta não é nossa única vida, nossos pensamentos, sentimentos e atitudes em existências pretéritas também agregaram energias mais ou menos densas em nossos corpos sutis e que, mesmo após a morte ou em futuras vivências corpóreas precisaremos drená-las, podemos compreender a origem de muitas dores, doenças e sofrimentos….

Se buscarmos o verdadeiro e sincero autoconhecimento, assumindo nossos próprios e profundos pensamentos e sentimentos como realmente nossos, podemos encarar a dor, a doença ou o sofrimento como belos educadores no inevitável processo de reforma íntima que fatalmente vivenciaremos, mais cedo ou mais tarde, em nosso natural processo evolutivo. No atual estágio evolutivo da humanidade, a dor e o sofrimento ainda são necessários como pedagogia para o crescimento espiritual, evitando que nos acomodemos em nossas ilusões e equívocos. Concluimos ainda que a evolução espiritual gera saúde, pois ocorre através do equilíbrio dos pensamentos e das emoções.

Paz, Amor e Luz,

Rodrigo R. Batista

 

 

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *